Thursday, September 27, 2007

O Caso Lopes

Hoje tive a grata supresa de assistir a mais um arrufo.
O arrufo - pode verificar-se - é como um amuo, mas mais reactivo.
Quem arrufa, amua mas faz barulho. Em vez de simplesmente amuar calado, o arrufante Lopes faz sempre algum estardalhaço.
Mas apenas arrufa quem quer bem a outrem. Lá está, Lopes quer bem à sua querida Televisão, nobre sentimento que é recíproco em igual medida.
Achei divertido.
Lopes afirmou-se revoltado pela sua importantíssima entrevista - as entrevistas de Lopes são sempre importantíssimas, claro - ter sido interrompida para seguir a chegada do Heroi Mourinho.
Que escândalo! Que heresia! Mas quem pode compreender que a elaboração de Lopes sobre o destino do seu partido (na verdade o partido não é "dele" mas ele sempre acreditou nisso) seja mais importante que a chegada de um treinador de futebol ao Aeroporto.
Então mas não é mais estimulante seguir a voz enfadonha e monocórdica de Lopes do que a nervosa agitação de flashes ("flaches" no Brasil, se bem conheço o gosto por latinizarem todas as palavras) e de empurrões, de perguntas disparadas competindo por um grunhido que seja. Não é mais importante adivinhar na desilução de Lopes mais uma das suas fantasias infantis (eu é que sei, o país precisa de mim, serei eu a fazer uma coisa a sério) do que seguir
Lopes não compreende tamanha injustiça.
Mas nós compreendemos.
Lopes é para nós uma "branca".
Ou seja, uma fase enevoada da nossa política. Um episódio para-normal.
Os registos históricos hão-de mostrar que ele foi primeiro-ministro. Mas ninguém acredita. Nenhum português se lembra de Lopes aos comandos do país, por mais exercitada que tenha a sua mente. Ainda hoje soa estranho, só pode ser uma piada.
Como pode então Lopes - essa ideia vaga, essa ilusão que aparece mal definida nas nossas cabeças, esse holograma primitivo - querer competir com uma personagem viva como o famoso treinador?
Lopes encontrará refúgio num daqueles programas tardios da tv cabo, se quiser fazer televisão. Talvez seja uma boa alternativa à televendas, com a vantagem de se poupar nas traduções. E com menos voos a chegar a essa hora à Portela.

1 comment:

zeca said...

O homem não é Lopes...é Lupus...aparece de vez em quando e chateia sempre mais.